quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

VIAGEM NO TEMPO E NA MEMÓRIA

Já falei aqui das várias associações desportivas que fizeram parte do quotidiano de muitos Alandroalenses.

Mas uma houve que marcou toda a infância e adolescência da minha geração.

O Núcleo Desportivo e Cultural Dr. Manuel Viana Xavier Rodrigues.

O Núcleo teve a sua sede, onde é agora o Espaço Internet, paredes meias com a janela do meu quarto, por isso podem calcular a maneira como eu vivi aquela associação.

Foi criada, gerida, impulsionada e desenvolvida pelo Humberto Galhardas, naquele espaço que era pertença da sua família. Tinha como principais colaboradores aqueles atletas mais velhos, que ainda nem tinham atingido a maioridade. Já nem me recordo se pertenciam à Direcção. De entre eles lembro-me do José Ribeiro e do Pisco ( Piçarra ), que eram dos que faziam ali mais horas a zelar pelo bom funcionamento da sede.

O Núcleo surgiu no final da década de setenta e na ressaca do pós 25 de Abril de 74, numa altura em que não havia qualquer associação desportiva e cultural no Alandroal. Havia a Sociedade Artística, onde a principal actividade eram os jogos de azar e a Sociedade da Musica que comportava a Banda de Musica da altura.

Assim o Núcleo apareceu em força para colmatar essas falhas. Possuía uma Secção de Futebol Juvenil, que sem ser federada levava os jovens do Alandroal a jogar aos mais variados sítios na vizinhança.

Uma Secção de Atletismo, que foi o forte desta Associação. Ali foram criados vários Campeões Distritais, o Zé “Espanhol”, o Pisco, a Fátima “Taliscas”, a “São” Corneta...

Recordo-me de haver na sede, um mapa de Portugal com 1,50cm de altura, sobreposto sobre uma placa de esferovite, onde se marcava com um alfinete de cor, os locais onde os atletas do Núcleo se deslocavam, esse mapa do Tejo para baixo, estava quase todo picado, até nas aldeias mais improváveis o Núcleo marcava presença e quase sempre com excelentes resultados, tanto individual como colectivamente.

Tudo isto numa altura em que os meios de transporte eram escassos, só para terem um ideia, ainda nem a Câmara tinha autocarro ou qualquer carrinha de 9L, já o Núcleo tinha uma carrinha Volkswagen, daquelas muito ao gosto dos hyppies.

E muita vezes íamos numa “banheira” preta que o pai do Janeca tinha, ou com o Xico Manel, Zé Colunas, etc... Mas digo-lhes já que os "et ceteras", eram poucos.

O Núcleo possuía ainda uma biblioteca, a que foi atribuído o nome de D. Helena Xavier Rodrigues, esposa do Dr. Xavier, o distinto médico que deu o seu nome ao Núcleo Desportivo e Cultural Dr. Manuel Viana Xavier Rodrigues.

Como o desporto físico não era o meu forte, escusado será dizer, que era ali que passava grandes tardadas a ler e ouvir musica, mais à noite era um craque nos jogos de mesa, Dominó, Damas, Batalha Naval, Xadrez... E de madrugada de lerpa!

Com o aparecimento do J. S. Alandroalense nos finais de 1981, o Núcleo foi perdendo preponderância, até que fechou portas, até porque o Humberto Galhardas depois foi o 1º treinador do futebol jovem no JSA.

5 comentários:

xpto disse...

Excelente postagem amigo Varandas.
Como eu recordo esse tempo em que o Atletismo Alandroalense deu brado por esse Alentejo fora.
Recordo uma vez que tranportei os atletas até Santiago Rio de Moinhos e que por qualquer motivo houve atrazo e eu que tinha a minha mãe hospitalizada em Évora me atrazei na visita . Nunca mais esqueço a ansiedade dela aguardando pela minha visita (atrazada). Ainda hoje tal me marca.
E de uma outra vez que na mesma missão de transportador paramos em
S. Miguel de Machede (eu e o Zé Colunas) cá com uma fome e que comemos alguns 10 pratinhos de cachola.
Pois é! mas há uma coisa que me mói cá dentro.
Que é feito de tantas taças e troféus que os nossos atletas ganharam?
Eles estavam lá expostos...lá isso estavam que eu lembro-me bem
Chico Manuel

Varandas disse...

Em relação aos troféus, que de facto eram centenas, posso acrescentar que o Humberto e o António João, na altura em que alugaram aquele lugar para o Espaço Internet e tiveram que retirar tudo o que lá estava, fizeram um esforço para os entregar aos atletas.

Aqueles que quiseram foram lá recolhe-los, os outros que não foram recolhidos não sei que destino lhes foi dado.

Anônimo disse...

Os troféus foram entregues aos donos

xpto disse...

Estou esclarecido e outra coisa não era de esperar de pessoas como o Humberto e o António João
Muito bem
Chico

Anônimo disse...

grande post, Rosinha.
Nem Lusa, nem Expresso, nem C Manha. Destas notícas, só tu é que os fazes.
Abração
Comissário